7 de dez de 2016

em belo horizonte
procurando a ponta do durex
na superfície transparente
dos dias, com karina rabinovitz,
silvana rezende e ricardo aleixo [convidado]






frida kahlo,
por luiz flávio







no rio de janeiro
três mocinhas elegantes,
de cristina villaça
[ilustração rafa anton]


Duas mães, muitos relógios e a descoberta da empatia
Três mocinhas elegantes narra, de forma delicada e arguta, o dia a dia de uma família diferente, mostrando como o preconceito é lido pelos olhos de uma menina

Lançamento no dia 10/12, a partir das 15 horas, na Blooks Livraria, Praia de Botafogo

Cuca é uma garota esperta, alegre e curiosa. Ela só não consegue entender por que a vizinhança torce o nariz para sua família. Suas duas mães, Ana e Lia, nem ligam para os comentários maldosos, que fingem não escutar. Mas Cuca fica intrigada. Por que os vizinhos não gostam delas se nunca fizeram mal a ninguém?
 
Em Três mocinhas elegantes, a narrativa de Cristina Villaça e os desenhos de Rafa Anton descrevem com argúcia e delicadeza o dia a dia de uma família diferente. E, ao mesmo tempo, refletem como essa ideia de "diferença" incide sobre as relações sociais. Fazem isso, porém, com graça e otimismo, na contramão da atmosfera pesada que, em geral, habita as histórias sobre preconceito. Neste livro, a discriminação pela qual passa um casal homoafetivo é descrita pelo olhar de uma criança que cresce imersa no amor e no zelo de suas duas mães. Um olhar que, repleto de frescor e empatia, faz com que Três mocinhas elegantes consiga fugir de estereótipos ao tratar do tema.

Na rua, só seu Chiquinho e dona Sinhá, já idosos, são amigos de Cuca e de suas duas mães. A menina gosta de visitar a coleção de relógios daquele que considera seu bisavô — daí, aliás, vem o apelido dela. Pois é justamente no convívio afetuoso das duas famílias que nasce a reviravolta dessa história. Uma mudança brusca que tem sua gênese no real significado da palavra "empatia". Uma guinada construída pelo poder do afeto e da solidariedade, pela beleza e pelas surpresas do tempo. Uma situação inusitada que, descrita de forma sutil e onírica por Cristina Villaça e Rafa Anton, é um sopro de esperança rumo a uma sociedade mais tolerante e feliz.

Trecho
Temos outros vizinhos também. A dona Carola e a dona Carlota são duas faladeiras. Quando se encontram na rua, passam horas falando sobre a vida dos outros.
Antes elas não gostavam nem um pouco da gente. Uma vez eu ouvi:
— Já se viu? Criar a menina sem pai!
— Pouca vergonha, isso sim!
Ana e Lia nem ligaram, já estavam acostumadas, fingiram não escutar. Mas eu ouvi muito bem. Por que elas falam essas coisas? Somos uma família. Somos as Três Mocinhas Elegantes. Juntas, somos invencíveis!

Os autores
Cristina Villaça nasceu no Rio de Janeiro, onde mora. É mestra e especialista em Literatura Infantojuvenil (UFRJ). Tem diversos livros publicados, entre eles Viva eu viva tu, viva o rabo do tatu e Gato Mia.  A partir do projeto Um trem de histórias, criou um CD de músicas para crianças.

Rafa Anton nasceu em Vigo (Espanha) e morou também em Madri e Munique (Alemanha). Atualmente reside em São Paulo. Além de ilustrar e escrever livros infantis, trabalha para produtoras de cinema e animação. Seu livro A incrível história do homem que não sonhava — em que é autor do texto e das ilustrações — foi publicado em 2014.

Título: Três mocinhas elegantes
Escritora: Cristina Villaça
Ilustrador: Rafa Anton
Público-alvo: a partir de 8 anos
Páginas: 32
ISBN: 978-85-7933-102-2
Preço: R$ 26,90
Dimensões: 16x23cm

Lançamento
Data: 10 de dezembro, sábado
Horário: a partir das 15h
Local:  Blooks Livraria,
End.: Praia de Botafogo, 316
Tel.: (21) 2237-7974

Assessoria de imprensa ZIT Editora
Nanda Dias & Nani Santoro
nandadias15@uol.com.br |  (21) 2490-5354 | 99764-0655
nanisantoro@uol.com.br | (21) 3324-5200 | 99855-1939




o irmão do meu irmão,
de cristina villaça
[ilustração rafa anton]


Uma narrativa para celebrar a diversidade em família
O irmão do meu irmão retrata a relação transformadora entre
uma menina e o filho de sua madrasta

Lançamento no dia 10/12, a partir das 15 horas, na Blooks Livraria, Praia de Botafogo

Duda ainda é uma menina, mas já sabe que cada família é de um jeito. E a dela é do tipo enorme: cabe um monte de gente. Tem espaço para os primos e tios, avós e bisavós. Tem lugar, até, para a nova mulher do pai e para seu filho mais velho, Hugo... Que não é irmão de Duda, mas é irmão do seu irmão. Não bastasse toda essa complicação, a garota ainda por cima olha Hugo com tremenda antipatia. Apesar de terem a mesma idade — e muitas outras coisas em comum —, ela não gosta nada da ideia de ter de conviver com o menino. Até que, certo dia, um acidente vai promover uma reviravolta nessa história.

Em O irmão do meu irmão, Cristina Villaça dá vida a uma história singular de companheirismo, enquanto lança luz, de forma graciosa e sensível, à diversidade possível na ideia de "família". Os arranjos familiares contemporâneos, múltiplos e fluidos, são o mote para que a autora explore as trilhas sinuosas da amizade, a descoberta da solidariedade e a construção da empatia. Tudo isso com o auxílio dos desenhos delicados e cativantes de Rafa Anton, que apresentam a família de Duda com traços e cores que remetem ao charme das tirinhas de antigamente.

A história de Duda e de sua relação com Hugo, com suas descobertas e transformações, tece um elogio à capacidade de abrigar o diferente e de compartilhar a alegria dos espaços mais íntimos. Com isso, celebra a família — seja ela do jeito que for — como lugar de afeto e de acolhida, de transformação e de aprendizado sobre a alteridade.

Trecho
Eu moro com a mamãe, mas sempre passo os domingos com o papai, a Diana e os meninos. Minha mãe diz que eu tenho que gostar do Hugo como se ele fosse meu irmão de verdade. E eu gosto, muito mesmo. Mas é diferente.
O Leo é o meu irmãozinho lindo que eu adoro. O Hugo eu adoro também, mas é de um jeito diferente de gostar. Não sei se vou conseguir explicar.
Eu e o Hugo temos a mesma idade. Aliás, eu e ele temos muita coisa em comum. Nascemos no mesmo ano, na mesma cidade, na mesma maternidade. Só não somos irmãos.
Eu vou contar uma história que aconteceu comigo e com o Hugo, e aí você vai entender por que eu gosto tanto dele.

Os autores
Cristina Villaça nasceu no Rio de Janeiro, onde mora. É mestra e especialista em Literatura Infantojuvenil (UFRJ). Tem diversos livros publicados, entre eles Viva eu viva tu, viva o rabo do tatu e Gato Mia.  A partir do projeto Um trem de histórias, criou um CD de músicas para crianças.

Rafa Anton nasceu em Vigo (Espanha) e morou também em Madri e Munique (Alemanha). Atualmente reside em São Paulo. Além de ilustrar e escrever livros infantis, trabalha para produtoras de cinema e animação. Seu livro A incrível história do homem que não sonhava — em que é autor do texto e das ilustrações — foi publicado em 2014.

Título: O irmão do meu irmão
Escritora: Cristina Villaça
Ilustrador: Rafa Anton
Público-alvo: a partir de 8 anos
Páginas: 32
ISBN: 978-85-7933-103-9
Preço: R$26,90
Dimensões: 16x23cm

Lançamento
Data: 10 de dezembro, sábado
Horário: a partir das 15h
Local:  Blooks Livraria
End.: Praia de Botafogo, 316 - Botafogo
Tel.: (21) 2237-7974

Assessoria de imprensa ZIT Editora
Nanda Dias & Nani Santoro
nandadias15@uol.com.br |  (21) 2490-5354 | 99764-0655
nanisantoro@uol.com.br | (21) 3324-5200 | 99855-1939




fragmentos para encenação,
com textos de bruna mitrano,
diana de hollanda & rafael sperling



Dia 13 de dezembro, às 20 h, na Sede das Cias.
Rua Manoel Carneiro 12 - Escadaria do Selarón - Lapa. Tel.: (21) 2137-1271
Realização: Nûn Produções Culturais




em são paulo
paulo emílio e guilherme de almeida:
críticos e críticas, por donny correia
e rafael zanato



5 de dez de 2016

em natal
a mesma fome,
de marize castro







em são paulo
estranhas experiências,
de claudio willer


Claudio Willer vai autografar Estranhas Experiências no dia 7 de dezembro, quarta feira, a partir das 19 h, na sede da UBE, União Brasileira de Escritores: Rua Rego Freitas, 454 – Cj. 61 (próximo ao metrô República), tel.: (11) 3231-3669.

Preço do exemplar: R$ 15,00. Trata-se do final da tiragem do livro de poesia lançado em 2004 pela editora Lamparina. Com 142 páginas, inclui poemas de livros anteriores. A UBE oferecerá um coquetel. Também haverá à disposição exemplares do livro de poesia A verdadeira história do século 20 (Editora Córrego, 2016), que custa R$ 30,00. Antes de iniciar, o poeta vai dizer alguns poemas para animar a sessão. Mais informações, clique aqui.

Os livros também podem ser adquiridos na Loplop Livros, de Alex Januário, diretamente, ou via Estante Virtual. Para quem mora no entorno da Zona Oeste de São Paulo, Alex entrega a domicílio. O acesso à Loplop: loploplivros.blogspot.com.br (basta escrever ou telefonar). Tel.: (11) 99238-8552 | loploplivros@gmail.com




transcendência — encontro com a ficção
fantástica, por luiz bras







as ideias concretas:
poesia 60 anos adiante







cinema de fato:
anotações sobre documentário,
de carlos alberto mattos







mobilidade urbana no brasil,
org. evaristo almeida







livro de horas de sóror dolorosa —
a que morreu de amor,
por núcleo de ação educativa







em campina grande
febre de enxofre,
de bruno ribeiro


Depois de uma temporada de quatro anos na Argentina, o premiado escritor Bruno Ribeiro retorna para a Paraíba com o romance Febre de Enxofre, obra ambientada em Campina Grande, João Pessoa e Buenos Aires.

Sinopse do romance: Yuri Quirino, um poeta desiludido, após se despedir da mulher amada conhece Manuel di Paula, uma criatura estranha que oferece uma oportunidade peculiar de trabalho para ele: escrever sua biografia. Para escrevê-la, Yuri viaja até a cidade natal de Manuel, Buenos Aires, e termina entrando em uma voragem absurda de horror e perdição.

Comentários sobre o livro
"Os méritos do relato de Bruno Ribeiro são evidentes: uma escritura segura de si mesma, não ostentosa, posta ao serviço do material narrado em um delicado equilíbrio entre o coloquial e o culto, o prosaico e o sagrado, a alucinação e a realidade, o humor e o horror, em uma história que pode ser lida como uma versão pós-moderna de um dos grandes mitos da literatura moderna: o vampirismo". Guillermo Saavedra

"Febre de Enxofre tende a se converter em um jogo de bonecas russas, ou espelhos confrontados, onde um e outro pisam na cauda do outro mutuamente. Um livro que assume riscos e cumpre com as expectativas que se propõe. Destaco a convicção de escritor que sustenta e impulsiona a obra". Luis Chitarroni

"Diz-se que alguns autores, tal como Georges Bataille, escrevem para se apagar do mundo. Parece ser exatamente o caso de Bruno Ribeiro: Febre de Enxofre brinca com o real, o fictício e o imaginário na busca de uma forma de desaparecer completamente. Bom ver que ainda temos escritores assim". Wander Shirukaya

Trecho do prefácio da escritora argentina Mariana Travacio
"Ler Febre de Enxofre é uma festa literária: é passar do Deus está morto à extremidade de um inferno eterno: é uma trama sem tréguas, um tratado sobre a poesia, uma pergunta em torno da (consciência de) finitude, um derramamento de criatividade; sim, é tudo isso, mas também, e fundamentalmente, uma pergunta sobre a linguagem, porque é na prosa desse romance que se jogam todas as batalhas que são, no fundo, uma única batalha: a da literatura que permanece de pé para nos lembrar que escrever é um risco e que temos que aceitá-lo sem pudores. É isso que Bruno Ribeiro faz: escreve sem pudor, assumindo todos os riscos, sem que o importe nada mais do que fazer boa literatura.

[...] Encontrar, nestes dias, um livro como esse é motivo de felicidade para os leitores. Em Febre de Enxofre, Ribeiro toca em todos os pontos centrais da poética. Estabelece uma alegoria bela e macabra: os seus tópicos estéticos personificados e em cena dançam ao ritmo de um texto alucinado e absolutamente imprescindível".

Sobre o autor
Bruno Ribeiro nasceu em 1989, um mineiro radicado na Paraíba. É tradutor, escritor, roteirista e membro da banda Creepypasta. Membro do extinto grupo literário paraibano Caixa Baixa, já publicou e foi destaque em jornais, revistas, blogues e antologias, como a Revista Germina, a Pulp Fiction da Homo Literatus, a revista Blecaute, antologias da Editora Estronho, a revista uruguaia Literatosis, O Inimigo, THUMP — o canal de música eletrônica da Vice, 2 mil toques, o jornal Contraponto, Jornal da Paraíba, Jornal do Commercio, Diário de Pernambuco, Zero Hora e O Globo. Autor dos livros Arranhando Paredes (Bartlebee, 2014) traduzido para o espanhol pela editora argentina Outsider e Febre de Enxofre (Penalux, 2016). Mestre em Escrita Criativa pela Universidad Nacional de Tres de Febrero, editor da Revista Sexus, foi um dos vencedores do concurso literário Brasil em Prosa (com mais de 6 mil inscritos), promovido pelo jornal O Globo e pela Amazon com apoio da Samsung, e também foi finalista do Prêmio Sesc de Literatura 2016. Mais em seu blogue: brunoribeiroblog.wordpress.com.

Febre de Enxofre
GÊNERO: Romance
ISBN: 978-85-5833-117-3 | ANO: 2016
FORMATO: 14X21
PÁGINAS:  274 | Pólen Bold 80gr
PREÇO: R$45,00
EDITORA PENALUX




em belo horizonte
a noite de um iluminado,
de pedro maciel


9 de dezembro | sexta-feira | de 19h às 22h | Livraria Ouvidor da Savassi

29 de nov de 2016

em belo horizonte
a mão boa e a mão boba,
de renata emrich







estação das clínicas,
de iacyr anderson freitas


1º de dezembro | 19h30 às 21h30 | Espaço Cultural Letras e Ponto:
Rua Aimorés, 388 - salas 501/502 - Funcionários





em joão pessoa
febre de enxofre,
de bruno ribeiro



Lançamento, também, em Campina Grande: dia 8 de dezembro, às 18h30, no Frida Tacos

Mais informações

Sinopse
Yuri Quirino, um poeta desiludido, após se despedir da mulher amada, conhece Manuel di Paula, uma criatura estranha que oferece uma oportunidade peculiar de trabalho para ele: escrever sua biografia. Para escrevê-la, Yuri viaja até a cidade natal de Manuel, Buenos Aires, e termina entrando em uma voragem absurda de horror e perdição. (274 páginas).

À venda no site da Editora Penalux: goo.gl/72ppAj ou com o autor, pelo e-mail brunorrsantos@live.com.
Valor: R$ 45,00 + frete




no rio de janeiro
rio de versos
ação multilinguagens de cultura
brasileira contemporânea


Rio de Versos é um evento que acontece há anos em diversos espaços, reunindo sempre artistas de diversas linguagens, com espaço privilegiado para a Poesia em suas mais diversas vertentes. A edição neste 2016 é realizada em parceria com o NAC – Núcleo de Arte e Cultura, no auditório e biblioteca da FACHA – Faculdades Integradas Hélio Alonso, no campus Botafogo.

Sob coordenação do poeta, diretor de teatro e ativista cultural Sady Bianchin, o encontro diversifica suas atividades neste ano, apresentando ao público desde uma mesa-redonda sobre Poesia Visual, passando por uma série de Performances, exposição e microfone livre, culminando com o lançamento do novo livro de poemas de Sady Bianchin.

Programação
(Início às 18 h)

Mesa-redonda
A abertura inicia-se com 8º edição da mesa-redonda Poesia Visual Contemporânea, contando com Aristides Alonso, Gab Marcondes, Joaquim Branco, Ricardo Alfaya e Sady Bianchin, com mediação de Tchello d'Barros e perguntas da plateia.

Ciclo de Performances
Na biblioteca da FACHA, haverá as apresentações do Ciclo de Performances Poemações, com poetas apresentando obras autorais, nessa linguagem que aproxima Literatura e Artes Cênicas. Jorge Piri, Lucília Dowslley e Sérgio di Paula são alguns dos artistas confirmados.

Exposição de Poesia Visual
Abertura da exposição coletiva e itinerante de Poesia Visual Mirações de 0 a 10 – Poesia Visual Brasileira da 1ª Década do Séc. XXI. Com curadoria de Tchello d'Barros, a mostra apresenta criações visuais de 31 artistas brasileiros que foram expostas, publicadas ou pesquisadas na década passada.

Lançamento de livro
Sessão de autógrafos do livro Tráficos Utópicos, a nova obra do poeta Sady Bianchin. O volume publicado pela editora Mais Que Palavras, reúne a mais recente safra de poemas do autor, bem como uma retrospectiva fotográfica com seus principais trabalhos no campo do Teatro, Performance e Cinema.

Microfone Livre
Como é tradição, haverá microfone livre para poetas e amantes da Poesia utilizarem o espaço de fala para ler, declamar ou performar poemas de própria autoria ou de seus autores prediletos.

Serviço
Evento multilinguagens Rio de Versos - 2016
Abertura em 1º/dez/2016 - quinta-feira
18 h – Mesa-redonda Poesia Visual Contemporânea
19 h – Ciclo de Performances e Coquetel de abertura
Lançamento do livro Tráficos Utópicos
Auditório da FACHA – Faculdades Integradas Hélio Alonso
Rua Muniz Barreto, 51 – Botafogo
Visitação: segunda a sexta-feira das 9h às 20 h até 31/jan/2016
Entrada Franca

Coordenação: Sady Bianchin

25 de nov de 2016

em são paulo
miss tatoo — uma quase novela,
de luiz roberto guedes


Luiz Roberto Guedes convida para a festa de encerramento da Balada Literária. Vai ter Ocupação Jovens Escribas, com presença dos autores e seus livros.




o terceiro tempo do trauma,
de eugênio canesin dal molin


O trauma psíquico deve ser investigado a partir de histórias e casos. Ao se debruçar sobre o conceito de Nachtraglichkeit, amplamente discutido por Freud, que investiga o trauma como repartido em dois tempos, Molin procura compreender a sua constituição, como o meio exterior atua na sua formação e o que ocorre no intervalo entre a percepção do trauma e o momento do evento. Para ele, "antes da lembrança, há a experiência. Ou, utilizando palavras de Freud: "devemos nos lembrar que todas as representações mentais [Vorstellungen] se originaram de percepções e de fato são repetições [Wiederholung] destas últimas".

Eugênio Canesin Dal Molin. Psicólogo e psicanalista. Mestre e doutorando pelo Instituto de Psicologia da USP, é professor universitário e membro aspirante do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae. Atende em São Paulo e em Londrina.




em joão pessoa
ventre urbano
[org. leticia palmeira e
lizziane azevedo]







em belo horizonte
germinar:
mostra de fotografia autoral


No próximo domingo, 27 de novembro, o grupo formado por Beatriz Tavarez, Cláudia Roccha, Edson Guedes, Evelin Amorim, Giselle Dietze, Humberto Guimarães, Leonardo Galuani, Thiago Mourão vivenciaram o curso Fotografia Autoral, vão expor suas obras no Atelier Casa da Cultura — Lúcia Castanheira e convidam todos para o evento.


"Nas noites da escola de Belas Artes da UFMG, entre árvores, artes e afinidades nos entregamos à plena confiança e imaginação ao fotografar sem usar o olho físico. A percepção de que há muito do outro em você, na atividade dos três retratos. O uso da intuição e liberdade expressiva nos duos inspirados na fotógrafa Rinko Kawauchi. Entre a mata fechada do Parque das Mangabeiras, vivenciamos O fio de Ariadne — cordão que nos une e dá coragem para enfrentar o mistério. Fotografamos a natureza, nossos parceiros, buscamos a nós mesmos. E da palavra fez-se arte, foto, vídeo, com o verbo de Manuel de Barros. Aqui estão os resultados dessa jornada. E depositemos na força do grupo a esperança de que seguimos em frente, nessa senda, nessa longa, sinuosa e bela travessia, que a arte, que é a vida".

O que é: Mostra de Fotografia Germinar
Data/Hora: 27 de novembro, de 15 às 18h
Local: Atelier Casa da Cultura — Lúcia Castanheira
Rua São Pedro da União, 106 - Sion
Entrada franca

Saiba mais: www.guimachala.com.br

22 de nov de 2016

em curitiba
sabatina literária sesi:
luci collin


Data: sábado, 26 de novembro | Horário: 15h
Local: Centro Cultural Sesi Heitor Stockler de França:  Av. Marechal Floriano Peixoto, 458 | Centro
Inscrições: R$ 30 | pelo e-mail: sabatinaliterariasesi@gmail.com
A inscrição dá direito a um exemplar do livro Nossa Senhora D’Aqui para se preparar para a conversa com a autora.
Mais informações: (41) 3322-2111
Classificação Indicativa: livre




em são paulo
balada literária
curadoria: marcelino freire


Saiba tudo: clique aqui.




jorge de lima: grande poeta misterioso,
por claudio willer


dia 23 de novembro | de 19h às 21h | UBE: Rua Rêgo de Freitas, 454 - República




eventos na
casa guilherme de almeida







senhoras obscenas,
org. adriana caló & graziela brum


26 de novembro a partir de 18h | Jongo Reverendo:
Rua Inácio Pereira da Rocha, 170 - Vila Madalena




em londrina
londrix: sarau carla diacov


Londrix apresenta Sarau Carla Diacov: poesia, exposição de arte e música com as DJs Analua Ito, Silvia de Luca e Empório da Keiko (aka Katy Kakubo). Dia 25 de novembro,  a partir das 21h, no Cemitério de Automóveis (Rua João Pessoa, 103), com entrada franca.

Arte de Manoela Silva baseada em foto de Camila Fontes para o espetáculo A Valsa Número 6 (Nelson Rodrigues) produzida pelo TOU, em 1999.




em juiz de fora
dito apenas que comido,
de daniel valentim mansur







no rio de janeiro
e s c r i p t o n i t a
org. alexandre guarnieri, alberto bresciani,
jorge elias neto e nuno rau






no reverso do viés,
de amélia alves







em pernambuco
semana do livro:
narrativas possíveis do presente


Clique aqui e veja a programação completa.